quarta-feira, 17 de abril de 2013

Tenente Manuel Dias Catana... um poeta de Salvaterra !


Hoje vou lembrar o Tenente Manuel Dias Catana, do qual já neste blogue, em 23 de Dezembro de 2010, eu coloquei um poema sobre o "Madeiro" em Salvaterra mas, sobre os seus dados pessoais eu, infelizmente, pouco posso dizer. 
Assim, vou transcrever um pouco do que no jornal "Beira Baixa" de 14/02/1970, se escrevia a propósito do seu livro de versos "Poemas de Amor e de Saudade", acabado de editar: 
"Natural da raiana Salvaterra do Extremo, o Tenente Dias Catana é nome conhecido em todo o distrito de Castelo Branco. Conhecido e apreciado. Não precisa de apresentação, além da que já dele fez o ilustre  beirão e académico, dr. Jaime Lopes Dias, no prefácio que escreveu: “sonhador, idealista, possuído de excessiva modéstia, que anda de braço dado com a sinceridade, autodidacta, folclorista, músico, compositor e executante”.

Posto isto e lamentando não poder dizer mais, por de mais não dispôr, mas supondo que seja já falecido, aqui fica, com este seu poema dedicado à terra que o viu nascer, a minha pequena homenagem. 






                                                     Ó  SALVATERRA !

Ó minha terra adorada,
Meu conforto e minha festa,
Quero-te sempre lembrada
Na minha Musa modesta.

Porque foi em ti, que um dia,
    - Minha doce feiticeira! 
Esta luz que me alumia
Eu vi pela vez primeira.

Vejo às vezes, a sonhar,
Os teus vales e os teus montes,
Onde ouço as aves cantar
Ao desafio com as fontes...

Deixo a música dos ninhos
Que escutei horas a fio,
E, tomando outros caminhos
Vou tomar banho ao teu Rio.

Regresso pela Deveza,
Subo à Forca, sem parar,
Donde admiro a Natureza
Embevecido, a sonhar!...

Prostrado pela canseira,
Estendo-me sobre os fenos
Debaixo duma azinheira,
E respiro a pulmões plenos!

Na paz que então me rodeia
Ouço cânticos estranhos
De envolta co’a melopeia
Dos chocalhos dos rebanhos.

Até o cuco indolente
Quer mostrar que tem garganta,
E eu conto, maquinalmente,
As vezes que o cuco canta.

Como é bom, sonhando, ver
Os lugares da mocidade!
Só é pena não poder
Voltar-se, atrás, na idade!

Ó Salvaterra da Beira,
- Meu doce e suave enleio! –
Na minh’hora derradeira,
Dá-me guarida em teu seio!




4 comentários:

  1. Olá João muito boa tarde
    Hoje vim visitar o seu blog,li o que escreveu e também o poema desse senhor Tenente Manuel Catana.Não tem facebook? que tal aderir? sou amiga(virtual)do Professor António Catana da Idanha,de certo algo será a esse senhor; irmão talvês? a partir desse contacto poderá conhecer mais dele.
    Tenha um lindo fim de semana,junto dos seus e tudo de bom
    Ana Bernardo

    ResponderEliminar
  2. Olá, Ana!
    Claro que tenho Facebook.Eu podia lá deixar de ter uma coisa dessas, lol... Porém, praticamente não uso. Fui ali parar por acaso. Não é bem o meu género...
    Bem haja pelas suas palavras e pela ideia. Pode ser que a utilize.
    abraço,
    João Celorico

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde, João Celorico.
    Posso porventura juntar mais alguns elementos biográficos sobre o tenente Manuel Dias Catana. Na década de 1960, foi o representante máximo da Legião Portuguesa em Castelo Branco e, entre 1963 e 1965, liderou os Serviços de Censura da delegação albicastrense. Foi demitido em Junho de 1965, num incidente que espero contar no meu blogue nas próximas semanas.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Gonçalo Pereira,
      grato pela sua informação. Estarei atento ao seu blogue pois também gostaria de saber mais sobre a figura do tenente Manuel Dias Catana.
      Bem haja pela sua visita,
      Cumprimentos,

      João Celorico

      Eliminar